08/06/2018 às 14:30 PARA NOIVAS

COMO NOS SENTIMOS AO CASAR | NA IGREJA | Por Cláudia Strey

2654
4min de leitura

Sempre pensei em casar. Quando criança, queria o típico casamento da Disney, encantada pela princesa morena de a Bela e a Fera. Com o passar dos anos, o sonho era um casamento de temperaturas amenas no campo, com luzinhas espalhadas por todos os lados.

Mas como a vida real é mais emocionante que a dos sonhos, casei em uma casa de festa infantil no meio do típico calor de um janeiro que marcaria o início das mudanças na minha vida. Ah, casei com um vestido de princesa, mas o horário não permitiu luzinhas espalhadas pelo salão.

A verdade é que essas expectativas resumiam-se ao lado mais superficial do casamento. Aos detalhes visuais. Às imposições das redes sociais de usar a cor x, ter a banda y, comprar o item z. Ao parecer e não ao ser.

Tais escolhas aconteceram no seu tempo. Deixei que tudo acontecesse naturalmente – e não me importei se a madrinha queria usar a cor que não era exatamente aquela que eu tinha visto, ou se a cor das gravatas dos padrinhos seria exatamente a mesma. 

No fim, as cores das madrinhas se harmonizaram, a música (talvez) tenha tocado na ordem certa, o (primeiro e único) vestido (provado) ficou perfeito.

Para ser sincera, cá entre nós, as minhas (reais) ideias de casamento estavam mais relacionadas às experiências. Eu planejava com o que não era material. Eu imaginava os meus pais emocionados no altar. Eu imaginava estar rodeada de carinho e felicidade. Eu imaginava um noivo que estivesse disposto a construir uma parceria com amor e respeito. Eu imaginava meus amigos e minha família se divertindo.

E foi isso que eu tive.

Sobre detalhes técnicos, não fui uma noiva nervosa, não perdi a calma, não surtei. O casamento foi algo natural, resultado de seis anos de namoro e de planos de se mudar para o velho continente. Noivamos no dia dos namorados e, por motivos práticos, casamos no civil no final de julho.

Mas faltava realizar o sonho de dividir a experiência com aqueles que amamos. De um jeito meio corrido, em meio aos preparativos para mudar de vida, resolvemos casar, na igreja, com festa, com vestido, com espumante. Escolhemos o dia 13.01 pois era o único em que o Guilherme poderia fotografar.

E nada teria acontecido sem a ajuda dos amigos, das famílias, dos alunos. O que eu vi nos meses anteriores ao casamento foi tanta demonstração de amor que eu não cabia em mim. Foram os padrinhos e as madrinhas ajudando com a filmagem e organizando as despedidas de solteiro.

Foi família presenteando com as fotos pré-casamento, com a organização e com a decoração da festa. A ajuda veio de todos os lados, e o grande dia acabou sendo não só uma celebração do meu amor e do Ramiro, mas de todos que nos rodeavam.

No dia do casamento, era primeiro hora de se arrumar. Foto com as madrinhas, espumante, maquiagem, cabelo, espumante, foto instantânea para o topo do bolo, batom, vestido, brinde, foto com as mães, mais um brinde, segura o choro, retoca o batom. A ansiedade ia aumentando conforme as horas passavam. No momento que meu pai veio me buscar, a emoção começou a falar mais alto. 

Era hora de ir para a igreja e viver o grande dia.

Quando a famosa marcha nupcial começou a tocar, entrei em estado de felicidade total. Eu estava ali e o Ramiro me esperava para iniciarmos uma nova etapa em nossas vidas.

Durante a cerimônia, fiquei muitas vezes emocionada com o significado de tudo o que estávamos fazendo e com as palavras do padre – não se ama mais ou menos, se ama por inteiro, com intensidade, com o apoio da família e dos amigos.

E casamos.

Depois de toda essa entrega espiritual, era hora da festa. Sem maiores cerimônias, sem firulas. Entramos, discursamos, brindamos. Agora era a hora de beber, comer, dançar, e, como foi evidente durante toda a festa, chorar.

Chorar de felicidade, de saudades antecipadas, de amor. Ah, as lágrimas. Chorei na igreja, chorei quando agradeci a presença de todos, chorei com o discurso da minha mãe e do meu irmão. Aliás, era só eu falar com meu irmão que eu chorava (e choro agora também, de saudades desse dia e de todos).

MAS NEM SÓ DE LÁGRIMAS FOI O DIA

Teve muita risada, muito chão-chão-chão, muita pista de dança lotada, muita animação na hora de jogar o buquê, muitos shots de whisky e licor.

O FIM?

E depois de 11 horas de cerimônia e festa, tivemos que, infelizmente, terminar a noite.

Novamente, o que eu vi nessa hora foi mais uma demonstração de carinho. Ninguém queria ir embora. Porém quem ficou ajudou, inclusive, a desmontar a festa e a planejar o after. Porque, quando tem tanto amor envolvido, é preciso ser sem-fim.

O casamento foi a celebração do nosso amor e da nova etapa das nossas vidas.

Mais do que nunca, agora caminhamos juntos e construímos as nossa vida sabendo que temos raízes fortes que nos sustentam.

por Cláudia Strey.

_____

Gostou? Comente abaixo!

E para ver esse casamento completo,

CLIQUE AQUI!

08 Jun 2018

COMO NOS SENTIMOS AO CASAR | NA IGREJA | Por Cláudia Strey

Comentar
Facebook
WhatsApp
LinkedIn
Twitter
Copiar URL

Tags

bastian bastian fotógrafo Casamento em Igreja Casamento em Porto Alegre casar na igreja depoimento de noivos dicas para casamentos em igreja dicas para noivas fotografia de casamento fotógrafo de casamento fotógrafo de casamento guaporé fotógrafo de casamento rio grande do sul fotógrafo de casamento RS fotos de casamento guilherme bastian guilherme bastian fotógrafo Guilherme Bastian fotógrafo de casamento Porto Alegre

Quem viu também curtiu

15 de Jun de 2018

COMO NOS SENTIMOS AO CASAR | NO APÊ | Por Thiago Sebben

13 de Mai de 2017

FOTOS PREMIADAS

04 de Jun de 2018

COMO NOS SENTIMOS AO CASAR | AO AR LIVRE | Por Carina Pelegrini